Container

ACP

Endereço: Av. Prefeito Osmar Cunha, 183/Bloco B, 1009 - Centro - FLORIANÓPOLIS - SC - CEP 88.015-100

Telefone: (48) 3225-9185 -

Associação Catarinense de Psiquiatria (ACP)

ENDEREÇO

Av. Prefeito Osmar Cunha 183, Bloco B, 1009
CEP 88015100
FLORIANÓPOLIS/SC

FONES

(48) 3225-9185
Plataforma Portais Eletrônicos

Identifique-se

Painel de Controle

Newsletter

Cadastre-se para receber nossas novidades e noticias.

Notícias

A Associação Catarinense de Psiquiatria – ACP e a Coordenação Estadual de Saúde Mental do Estado de Santa Catarina alertam a respeito do risco de suicídio em jovens

Os números são crescentes e Santa Catarina é o segundo estado com maior número de suicídios do país.

Publicado 26/04/2018 15:19

Novamente “jogos” e aplicativos que tem como desafio final o suicídio, têm sido associados a óbitos de jovem. Portanto, as instituições pretendem levar a informação como uma forma importante de prevenção. Apesar do estigma e tabu que cercam o tema, ele precisa ser discutido e visto como um grave problema de saúde pública. Os números são crescentes e Santa Catarina é o segundo estado com maior número de suicídios do país, segundo dados da Coordenação Estadual de Saúde Mental de Santa Catarina. O crescimento do número de óbitos foi constante nos últimos anos e tende a aumentar se nada for feito, pois acompanha a expansão de doenças como a depressão e o abuso de drogas. Reduzir o estigma e melhorar o acesso das pessoas ao tratamento são as metas atuais da Coordenação.

Não há uma única causa para o suicídio, mas mais de 90% das vítimas apresentavam pelo menos um transtorno psiquiátrico, especialmente a depressão, considerada o principal fator de risco para o suicídio. Portanto, alguns sinais de alerta devem ser observados: alteração inexplicado do comportamento, isolamento, tristeza persistente, alterações do sono e apetite, queda no rendimento escolar e mensagens com conteúdo suicida em mídias sociais.

Pais, escolas devem estar atentos e capacitados para identificar as transformações que apontam para condutas de risco e profissionais de saúde aptos a manejar os casos de risco e tentativa de suicídio. A mídia deve ser responsável e não divulgar métodos utilizados pelas vítimas, nomes de jogos e aplicativos, bem como a divulgação de fatos e imagens relacionadas, devendo disseminar informações responsáveis, que reforcem e disseminem o conhecimento associado à prevenção do suicídio.

Os recentes acontecimentos trazem à tona uma realidade comum: o assédio virtual ou cyberbullying e é preciso manter a atenção no que nossas crianças e jovens fazem na internet. As instituições alertam que os pais e responsáveis precisam ficar atentos, respeitando a privacidade sem negligenciar os riscos.

É importante lembrar que a indução ao suicídio é um crime previsto no artigo 122 do Código Penal Brasileiro e é classificado como um crime contra a vida, que consiste no açular, provocar, incitar ou estimular alguém a suicidar ou prestar-lhe auxílio para que o faça. Os casos devem ser denunciados e as provas apresentadas aos agentes responsáveis.

Por último, ressaltamos que grande maioria dos suicídios são evitáveis e todos devemos atentar aos sinais de alerta. Para os profissionais de saúde fica o alerta para as estratégias de prevenção do suicídio, sendo a identificação e o tratamento dos transtornos psiquiátricos as mais eficazes.. Todo caso de tentativa deve ser notificado e  o atendimento especializado precoce deve ser garantido.

 

Leia mais sobre: Notícias

Compartilhe

Delicious Digg Google Bookmarks Mixx MySpace Reddit Sphinn StumbleUpon Technorati RSS